frontpage hit counter

BLOG DE ENTRETENIMENTO, FICÇÃO, REFLEXÃO E O QUE MAIS ADIANTE PODERÁ SER VISTO E LIDO (QUEM TIVER PACIÊNCIA...)
Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008
As Gajas Boas, a Crise e a “Regra Básica”…

 

 

 

É sabido que para uma gaja boa não há crises…

Já todos vimos em filmes ou lemos em romances estórias de gajas boas em períodos de grandes crises, guerras, invasões, etc.. e elas, se cumprirem a regra básica (já vamos ver qual é), safam-se sempre.

O namorado vai para longe, para a guerra, e a gaja boa começa a circular entre as nossas tropas e os aliados, não lhe faltando nada. Mesmo em tempos de falta generalizada de tudo e mais alguma coisa a gaja não passa nenhuma necessidade e dorme sempre no quentinho…

Se a guerra ou revolução ou invasão ou lá o que for, der para o torto e o inimigo ocupar os terrenos onde a gaja circula, lá a teremos a confraternizar com os militares inimigos, comendo do bom e do melhor, bebendo champanhe, fumando tabaco estrangeiro e usando meias de seda.

Quando, eventualmente, a coisa volta ao princípio e o inimigo acaba por ser escorraçado, lá temos de novo a gaja boa a festejar a “libertação” com as nossas patrióticas tropas e, mais uma vez, a comer do melhor e a beber de colheitas religiosamente  escondidas e guardadas para serem bebidas nestas ocasiões tão importantes.

Mais tarde chega o “noivo”, prisioneiro de guerra finalmente devolvido à liberdade, escanzelado e doente, que fica assarapantado ao vê-la assim tão saudável, tão boa e tão luzidia… Fica logo desconfiado, o nosso regressado herói… E ainda nem teve oportunidade de verificar como ela está “lanceirinha”, como aquele motor de arranque se encontra bem lubrificado e a trabalhar certinho como um motor Rabor (como se dizia antigamente…).

É aqui que entra a tal Regra Básica. Que é só uma e tem de ser impreterivelmente cumprida. E de que é que consta?

É simples: logo que começa a confusão e logo que o “noivo” (ou correlativo) é mobilizado, a gaja boa tem de se pirar de imediato da terrinha onde vive e não pode lá voltar até ao final das hostilidades (nem no Natal!...).

Vai viver  ( e vai viver bem…) para, pelo menos a 200 Km de distância da terrinha (para não correr riscos…)

O cumprimento desta regra impede, por exemplo, que seja vista a confraternizar com a soldadesca aliada ou inimiga, consoante os “timings”, o que lhe poderia render uma carecada, alcatrão na mona e cobertura de penas, no mínimo.

Passemos agora à parte final ( e mais difícil): como explicar ao desconfiado mânfio o bom aspecto, a perfeita rodagem, a cuidada pele e as macias mãozinhas, no meio de tanta desgraça, tanta fome, tantas mãos calejadas, tanta magreza?  

É altura de apelar ao “filme” do convento. A gaja tem então de contar que se refugiou num convento e por lá se encontrava quando o inimigo o invadiu e ela foi sequestrada e posta ao serviço (todo…) do horrível comandante. A gaja deve ser capaz de chorar nesta altura… Então, mesmo não lhe faltando nada, só descansa quando envenena o galfarro e logo a seguir tem de fugir. Por sorte, nesta altura, os inimigos são postos em debandada e ela regressou à terrinha.

Só pode “contar” isto (é a Regra Básica…). Deve demonstrar muito medo que se saiba onde era o convento (pudera!...) mas dirá sempre que é por causa de temer represálias ou até de ter de ir a tribunal por causa do homicídio. Se se esgotarem os argumentos dirá então que com a madre superiora agonizante no seu colo, lhe fez um juramento de guardar silêncio sobre tudo o que diga respeito ao convento, ao que lá se passou e ao veneno utilizado.

Se conseguir manter este “segredo” está safa a gaja boa… E acaba por sair a sorte grande ao desgraçado do enfezado noivo (vendo bem até que merecida…):

no meio da desgraça geral, fica com a gaja boa, ainda por cima bem rodada e a funcionar em beleza, acaba por beneficiar dos bens materiais que a gaja boa acumulou e ninguém lhe vai apontar um dedo, porque ninguém sabe da missa a metade (perdão a centésima parte…).

E aí temos como uma gaja boa passa por uma crise sem “entrar em crise”…

 

 

 

 



publicado por Rui Jam às 00:30
link do post | comentar

pesquisar
 
Setembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Enviar um e-mail ao autor
Contador de Visitantes
free web counter
web counter
Visitantes:
arquivos

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Novembro 2012

Maio 2012

Junho 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Maio 2010

Abril 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Outubro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

posts recentes

Nova cidade siberiana: An...

Gratidão canina...

Avenida Álvaro Cunhal...

A frase do Ano (para maio...

Lista de quase todas as F...

Já era altura de perceber...

"Zé Brasileiro" português...

A Secretária de Estado, o...

Regresso às Lides!...

Uma comparação... mal "ac...

A história repete-se...

123º Aniversário do nasci...

Sócrates docente na Unive...

Lá vai o relvado de Alval...

Não usem headphones na pr...

Kadhafi pode ser tetranet...

Louçã (ou Santana Lopes) ...

Castelo de Guimaraes incl...

Avião angolano deixa cair...

Cai neve em Portugal...

tags

todas as tags

links
blogs SAPO
RSS